Édipo Rei – 2001

0
1484

O Espetáculo Édipo Rei marcou um grande momento na vida do GTT. A tragédia de Sófocles é uma obra-prima, digna de exaltação, pois o herói trágico vai em busca da verdade e através dessa busca é levado à crise, o que é típico do gênero dramático e do ser humano.

Talvez por isso o espetáculo tenha sido tão importante para o GTT. Em 2001 o grupo passava por uma grande mudança. Deixava de ser uma promessa para ser uma realidade e carregava nas costas o peso de se manter na crista da onda, pois no ano anterior, colhera bons frutos com o espetáculo O Julgamento.

Alem disso, o grupo tinha assumido um grande desafio: comandar o recém criado Espaço Fábrica das Artes. Aliás, Édipo Rei foi exatamente o espetáculo que teve a honra de inaugurar oficialmente o Fábrica. A primeira apresentação ocorreu no dia 09 de junho de 2001, um dia após o coquetel de inauguração do Fábrica.

Édipo Rei e o GTT também entram para a história como o primeiro espetáculo a fazer uma temporada de um mês na cidade. O espetáculo voltaria ainda na mostra de teatro local levando os prêmios de sonoplastia, figurino, melhor ator coadjuvante (Tiago Luz) e melhor atriz coadjuvante (Patrícia Camargo).

Sinopse

Abandonado e entregue à morte, Édipo foi salvo e criado pelo rei de Corinto, Políbio. Quando se torna jovem, volta a Tebas e no caminho decifra o enigma da Esfinge (monstro que devorava os cidadãos de Tebas), torna-se rei de Tebas e, conseqüentemente, se casa com a bela viúva de Laio, Jocasta.

Édipo reinava contando com respeitado e admiração de seu povo até que uma misteriosa peste assolou Tebas e Édipo, como centro do poder, quis tomar conhecimento do criminoso que enfureceu os deuses. Então decidiu consultar o adivinho cego, Tirésias, a fim de banir da cidade o responsável pela desgraça. O desfecho ocorreu quando Édipo soube de toda a verdade revelada por Tirésias: que era ele, Édipo, o culpado pelas mortes do povo tebano e que os crimes cometidos foram casar-se com sua própria mãe e o homicídio praticado contra seu pai (mesmo inconscientemente), o que o fez cair em desgraça.

Dramaturgia: Sófocles
Adaptação: Carlos Justi
Direção: Carlos Justi e Tiago Luz
Figurinos: GTT
Iluminação: Jordano Velico
Sonoplastia: Erico Gomes e Nelson Pinton
Designer: Tiago Luz

Elenco
Edson Kalango
Juliana Gobbo
Marcelo Porqueres
Erico Gomes
Tiago Luz
Patrícia Camargo
Evelin Leoni
Josiane Nogaroto
Kelli Leoni
Beth Leoni

Anúncio