16.9 C
Americana
domingo, 2 outubro, 2022
Início Notícias O FANTASMA DA ROÇA VOLTA A ASSOMBRAR O FÁBRICA DAS ARTES

O FANTASMA DA ROÇA VOLTA A ASSOMBRAR O FÁBRICA DAS ARTES

Depois de três apresentações, com casa cheia, para alunos da Rede Pública Estadual, o Fábrica das Artes/GTT abre nova temporada do espetáculo “O Fantasma da Roça” para o público em geral. O espetáculo que foi montado em 2021 para comemorar os 20 anos do Fábrica das Artes e os 25 anos da companhia será apresentado nos dias 4, 5, 11 e 12 de junho – Sábado ás 20h e domingo às 19h. Os ingressos antecipados custam 20 reais

O espetáculo estreou em novembro de 2021 com quatro apresentações nos dias 20,21,27 e 28 de novembro, todas com casa cheia. Na ocasião havia limitação de 70% da capacidade do Fábrica, por conta das restrições impostas pela Covid19. Em maio deste ano realizamos três apresentações exclusivas para alunos da Rede Pública de Ensino Estadual, atendendo cerca de 300 alunos e 40 professores.

A HISTÓRIA
O ano era 1995. O Local, o Anfiteatro do Colégio João XXIII em Americana. A partir da fusão de dois grupos de alunos (Pé Preto e Arte e Expressão), nascia no dia 15 de março a primeira formação do que viria a ser o atual Grupo Teatral Ta’lento, tendo como fundadores Marcelo Porqueres e Juliana Gobbo. Cinco meses depois, a convite dos fundadores, juntava-se ao grupo o diretor Carlos Justi, que desejava batizar o grupo com uma expressão que desse duplo sentido, inspirado pelo Grupo AtorMentado, que passou por Americana naquele ano. Depois de muitas pesquisas e cansados de procurar um nome, o diretor inconformado disse “O Grupo está lento para decidir isso”. Imediatamente veio a ideia: Grupo Teatral Ta’lento. De ter talento, e de estar lento. Anos depois o grupo incorporou a sigla GTT, como é conhecido atualmente.

O Fantasma da Roça, escrito pelo diretor Carlos Justi, foi o primeiro texto encenado pelo Grupo. A montagem ocorreu em 1997 e levava o nome de “Atrapalhando os Atrapalhados”. Com essa montagem o grupo pisou pela primeira vez o palco do teatro Municipal de Americana numa mostra local, organizada pelo antigo DECET – Departamento de Esportes, Cultura e Turismo de Americana.

Ainda sob o teto do João XXIII o grupo montou um dos maiores espetáculos da companhia, o premiado “O Julgamento”, baseado no texto de Heiner Muller, e, posteriormente, Édipo Rei, de Sófocles, que viria a ser o primeiro espetáculo apresentado no Fábrica das Artes, inaugurando o espaço em junho de 2001, permanecendo por um mês em cartaz e tornando-se o primeiro espetáculo a fazer uma temporada na cidade com 8 apresentações.

Dois anos depois, em 2003, o GTT revisita o texto de Justi e monta pela segunda vez o agora rebatizado “O Fantasma da Roça”. Com um elenco primoroso, se tornou o espetáculo recordista de público da companhia e conquistou o prêmio de ator Coadjuvante (Sila Lisboa) e indicação de melhor texto original (Carlos Justi) no Festival de Teatro de Santa Bárbara d’Oeste em 2003.

Veja também: Alunos da Rede Pública visitam o Fábrica para ver “O Fantasma da Roça”

A MONTAGEM
Desde o início de 2020 o grupo planejava resgatar de seu portfólio uma montagem de sucesso como forma de festejar os 25 anos da companhia e os 20 anos do Fábrica, revivendo parte de sua história. A ideia era produzir o espetáculo em 2020, ano das bodas de prata do GTT, mas a pandemia tratou de adiar os planos, que só foram possíveis este ano com a possibilidade de retomada das atividades presenciais. Vale destacar que o grupo foi contemplado no final de 2020 com uma verba proveniente da Lei Aldir Blanc (lei 14.017 de 29 de junho de 2020, que dispõe sobre ações emergenciais destinadas ao setor cultural a serem adotadas durante o estado de calamidade pública, provocadas pela pandemia de Coronavírus), que permitiu custear parte das despesas de produção do espetáculo.

Do atual elenco do GTT, ninguém conhecia o texto O Fantasma da roça, nem tinha visto a montagem anterior. Coube ao autor do texto sugerir a ideia. Os primeiros a terem contato com a obra foram Carlos Eduardo Nascimento e Elliott de Souza, que após a leitura, encorajaram o diretor a seguir com o projeto. A partir daí o grupo foi acionado e bastou uma leitura coletiva para que todos tivessem a certeza de que seria a melhor escolha.

A opção pelo texto está vinculado a dois objetivos: primeiro, o retorno ao passado com um espetáculo de sucesso; depois, ser um espetáculo de comédia. “Desde o princípio queríamos voltar ao palco com algo leve, descontraído, divertido, que fizesse o público esquecer por uma hora, toda a tristeza e angústia provocada pela pandemia”, revela Carlos Justi, autor e diretor do espetáculo.

SINOPSE
O espetáculo conta a história de Babussa, neta do coronel Braulio que, influenciada pela solteirona Nezita, decide fazer uma simpatia para arranjar casamento. Braulio, descontente com o namoro da neta, ordena que dois empregados da fazenda vigiem a moça. São as peripécias desses dois capangas matutos e metidos a espertos que acabam atraindo “O Fantasma da Roça”.

FICHA TÉCNICA
Texto e direção: Carlos Justi
Iluminação: André Favarini
Trilha sonora original: Valterci de Moura – Hulkinho
Figurinos: O Grupo
Maquiagem: Tatiana Sajorato
Cenografia: Carlos Justi
Fotografia: Letícia Campos
Designer Gráfico: Carlos Eduardo Nascimento

Elenco
Sofia Tonon: Babussa
Nathan Pennacchioni: Coronel Braulio
Cadu Nascimento: Nicolino
Elliott de Souza: Cameloti
Allan Gatti: Rufino
Maria Carolina Schiavon: Nezita
Nicolas de Souza: Chico

SERVIÇO
O Fantasma da Roça – Comédia Livre – 60 minutos
Texto e direção; Carlos Justi
4, 5, 11 e 12 de junho /2021 – Sáb 20h / Dom 19h
Ingressos: Antecipado 20 reais / Estudante 15,00

Informações e reserva de ingressos 98838-1990
Fábrica das Artes – Rua Dr Cícero Jones 146 – Americana

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
- Ajude a manter o espaço -

Most Popular

Recent Comments